Poesia

tercio

In Poesia

Poesia: deleite-se ou delete-me (13.01.17).

 

Poesia: deleite-se ou delete-me (13.01.17).

 Maraãvilhosos,

Papai   01

 

 

Papai e eu   campa de futebol

 

Aprendendo cultura com meu pai analfabeto!

Quando menino eu costumava acompanhar meu pai, Juarez Barbosa de Lima, para cima e para baixo! Para onde ele ia me levava. Quando não me levava eu até adoecia! Ficava por dias cheirando a camisa usada por meu pai para matar a saudade e esperar por seu regresso!

Papai era um boêmio nato! Se eu acreditasse diria: graças a deus!

Ele me deixou insignificante herança material, já quanto a imaterial, todos os dias, vejo quanto foi e é muito rica!

Procuro, sem tanta eficiência, seguir seus passos na boemia!

Felizmente, não fumo, como era o caso dele, daí, talvez, sua pequena participação no jogo da vida.

Na companhia do meu pai ouvi muito Nelson Gonçalves soltar sua potente voz vinda dos LPs! Papai teve todos os discos dele, mesmo lá em Maraã, em plena selva amazônica!

Papai, portanto, era fã incondicional de Nelson!

A letra da música abaixo é de autoria de Adelino Moreira, um dos maiores compositores da carreira de Nelson, acredito, e é uma aula de cultura cuja importância, a despeito de gostar da música também, somente compreendi, se é que compreendo algo, depois de os cabelos começarem a pratearem-se e meu pai ter me deixado pelo mundo apenas com sua lembrança.

Sobre ou na letra da música farei algumas indicações que, por certo, não esgotam sua riqueza.

Vamos lá:

Escultura

Cansado de tanto amar

Eu quis um dia criar

Na minha imaginação (Osório diz: poder humano de pensar e criar).

Uma mulher diferente

De olhar e voz envolvente

Que atingisse a perfeição

Comecei a esculturar (Osório diz: fazer escultura. Michelangelo, exemplo).

No meu sonho singular (Osório diz: singular, único, diferenciado).

Essa mulher fantasia (Osório diz: que somente existe no pensamento).

Dei-lhe a voz de Dulcinéia (Osório diz: musa de D. Quixote)

A malícia de Frinéia (Osório diz: “Grega bela e famosa. Por ocasião de um Festival de Posidão em Elêusis, ela colocou de lado suas roupas, soltou os cabelos, e entrou nua no mar, à vista do povo, inspirando o pintor Apeles, em sua grande obra ‘Afrodite Anadyomène’. Fonte: Wikipedia).

E a pureza de Maria (Osório diz: a dita virgem mãe de Jesus).

Em Gioconda fui buscar (Osório diz: A Mona Lisa, pintura de Da Vinci).

O sorriso e o olhar

Em Du Barry o glamour (Osório diz: “Em 1763, a sua notória beleza chama a atenção de Jean-Baptiste du Barry, libertino confesso. Torna-se sua amante e instala-se na casa deste em Paris, onde acorriam muitas personagens ligadas à música e às artes. De facto, o conde era um grande apreciador de música e, sobretudo, de pintura, tendo Jeanne bebido muitos dos seus conhecimentos”. Fonte: Wikipedia).

E para maior beleza

Dei-lhe o porte de nobreza

De madame Pompadour (Osório diz: “Dotada de inteligência, encanto, beleza, e ao mesmo tempo uma mulher fria, em termos físicos e na alma, Madame de Pompadour via seu papel como o de uma secretária confidencial do Rei Luis XV da França”. Fonte: Wikipedia).

E assim de retalho em retalho

Terminei o meu trabalho

O meu sonho de escultor

E quando cheguei ao fim

Tinha diante de mim

Você, só você meu amor. (Osório diz: este o grande xaveco do autor!).

É isso!

Quem souber que diga mais,

Osório

 

Quem desejar ouvir: https://www.youtube.com/watch?v=GEdG46ppc2k.

 

 

Você está aqui: Home Poesias Poesia: deleite-se ou delete-me (13.01.17).